Mário Monjardim

Mrio Monjardim, o Monja.

Mario Monjardim provavelmente foi o diretor de dublagem do desenho do G.I. Joe* na Herbert Richers. O Monja, como também é conhecido, além de ser uma lenda da dublagem, é também uma figuraça.

Se você não sabe quem esse capixaba com mais de 40 anos de carreira, ele é mais conhecido por dar vida ao Salsicha, ao Pernalonga, e também pela inserção de pequenos bordões em suas dublagens, como “oi, diabo” e “compreendeu, assim?”.

Sempre bem-humorado, ele contou em uma entrevista ao InfanTV que entrou na carreira de ator de rádio porque foi ao dentista, mas o consultório não funcionava mais lá. O local havia virado o escritório da Rádio Vitória. Ele achou a recepcionista bonita e resolveu puxar um papo. Ela estava recebendo inscrições para testes de atores e ele acabou colocando o nome sem nem saber o que era. O resto é história.

Grande prestigiador da língua portuguesa, Monja é um adepto do coloquialismo e dos sotaques regionais em seu trabalho, para se aproximar mais do idioma falado no dia-a-dia. O Salsicha, por exemplo, tinha um sotaque “mistura de caipira e nordestino”.

Quando dublava o Líder Optimus, outro desenho que Mario dirigiu, o ator de voz Celso Vasconcellos insistiu com ele o verbo transformar deveria ser usado no modo reflexivo: “Autobots, transformar-se e rodar!” Monja bateu o pé e ficou o transformar e rodar que conhecemos.

* Há alguns meses, entramos em contato com todos os dubladores que trabalharam no desenho do G.I. Joe para descobrir quem poderia ser o diretor de dublagem. As respostas, depois de tanto tempo, foram desencontradas. A mais provável de estar correta foi apontada por Marco Antonio Costa, o dublador do Barbecue. Ele disse que o diretor principal era o Monja, e José Santanna também dirigiu alguns episódios.

A resposta é a mais provável porque ambos participaram de várias dublagens. O segundo tinha um personagem fixo, e fazia ninguém menos que o Duke. Tentamos de todas as formas confirmar isso, mas o Monja infelizmente enfrenta consequências de um AVC e não teria condições de responder. Também tentamos, mas não conseguimos descobrir como entrar em contato diretamente com o José Santanna.